DIdi Krepinsk

Reserve Aqui27/06/2017

Depois da exaustiva ida direta de São Paulo para Mykonos, eu resolvi que teria que “quebrar” um pouco a volta em Barcelona, na Espanha! A ideia era escolher um lugar para dormir aonde eu teria que pegar a menor quantidade de voos possíveis hahaha. Analisei todos as cidades que possuíam voo direto de Mykonos e escolhi Barcelona por dois motivos: a data e horário do voo (sábado às 22hs), e o fato de que eu não visitava a cidade há quase 15 anos!! Eu tinha meros flashes de Barcelona então achei que valeria a pena fazer um pitstop por lá no caminho, e aproveitar para re-ver os principais monumentos e passear! Mas infelizmente eu não tive muito tempo – apenas 36 horas para ser exata! Mesmo assim, eu tentei fazer e ver o máximo possível para poder dividir com vocês agora todas as dicas! Como não consegui ver tudo que eu queria, além dos lugares que eu pessoalmente conferi, estou incluindo também algumas dicas da minha amiga espanhola natural de Barcelona para deixar o post mais completo! Espero que gostem! Eu já estou louca para voltar pra Barcelona, não lembrava o quanto a cidade era legal e bonita! Isso sem falar da comida né ?! Kkk.

Barcelona em 36 Horas - Tibidabo

DICAS GERAIS

Durante o meu voo para Barcelona, montei um roteiro completo para os próximos dois dias, mas eu rapidamente descobri que seria impossível segui-lo. Eu não lembrava, mas uma viagem para Barcelona requer um certo planejamento! Os principais monumentos e pontos turísticos exigem a compra antecipada dos ingressos – você deve reservar e comprar com antecedência os ingressos para visitar o Park Güell, La Pedrera e a Sagrada Familia, por exemplo, para não correr o risco de ficar do lado de fora! Fiquei impressionada com a organização e realmente funciona – quando você compra o ingresso online, você tem que escolher um dos slots de horários disponíveis na determinada data. Esses slots se esgotam rapidamente e é quase impossível comprar o seu ingresso na hora e conseguir entrar no mesmo dia! Em todas as atrações que eu fui, tinha uma plaquinha escrita “sold out today”! 

A única que não exige isso é a Casa Battló, por ser “menos famosa” que as outras. Então eu que pretendia ver todas as obras do Gaudí no domingo precisei esperar até segunda-feira. E se você chegar atrasado e perder o horário do seu slot, você não entra! Os ingressos determinam a hora certa de entrar no local, mas sua permanência lá dentro é por tempo indeterminado! O concierge do hotel me ajudou a reservar tudo para o dia seguinte e imprimiu todos os meus ingressos. Recomendo comprar primeiro o ingresso da Sagrada Familia que é o mais requisitado, e depois os outros. Não sobrou então muita coisa para fazer no domingo a não ser passear, afinal as lojas e os mercados fecham aos domingos, incluindo o Mercat de la Boqueria e o Mercat Santa Caterina. É importante reservar os restaurantes para o jantar também! E uma última dica: como o Uber em Barcelona foi suspenso, baixe o aplicativo “my taxi” para conseguir um táxi rápido – é a melhor maneira de se locomover!

O HOTEL

Me hospedei por duas noites no Monument Hotel. Eu descobri esse hotel sem querer no site da Condé Nast Traveler! Sua localização, o tamanho dos quartos e o “custo benefício” chamaram minha atenção, então resolvi experimentar. Eu queria me hospedar originalmente no novo Soho House ou no Grand Hotel Central, simplesmente porque esses dois hotéis possuem um rooftop legal com piscina! Kkk. Mas o Soho House aparentemente não aceita hóspedes não-membros durante o final de semana (ou estavam realmente lotados) e achei as diárias do Grand caras demais! Quando digo que o Monument Hotel possui um excelente custo benefício, é porque você paga numa diária metade do preço do Grand Hotel Central, só que o quarto é duas vezes maior! Achei bom negócio, reservei, e realmente foi! Eu ADOREI o hotel! Sua localização é imbatível, no coração da Paseo de Gracia, a emblemática avenida comercial de Barcelona onde todas as principais grifes do mundo estão concentradas. Além disso, o hotel está a apenas um quarteirão da famosa La Pedrera de Gaudí, dois da Casa Battló, e a “walking distance” do bairro gótico, ou seja, super central.

O hotel é relativamente pequeno, mas muito elegante e luxuoso. A decoração é contemporânea e urbana, com muito uso de madeira. Achei o quarto super bonito e espaçoso! O chuveiro é demais, você liga ele com um simples botão de ON/OFF, e os produtos no banheiro são todos da marca inglesa Jo Malone. A parte que mais gostei? As estrelas no teto da cama! Kkk. São detalhes pequenos que dão aquele toque especial e fazem toda diferença! A cama também é ótima!! O hotel ainda oferece um Spa Valmont, muito bom por sinal (gostei bastante da massagem), um bar e dois restaurantes gastronômicos comandados pelo conceituado chef Martín Berasategui, que possui APENAS oito estrelas Michelin em seu currículo kkk! Achei o serviço do hotel excelente, especialmente o concierge, super atencioso e prestativo. Recomendo MUITO este hotel! 

DAY 1

CASA BATTLÓ

Comecei o dia visitando a Casa Battló, uma das obras-primas de Antonio Gaudí, o arquiteto espanhol mais famoso da história. Situada na Paseo de Gracia e conhecida como a “casa dos ossos” por causa das sacadas que parecem um crânio, a Casa Battló foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO em 2005, e hoje é mantida pela atual família proprietária. Ela é um símbolo da Art Nouveau Catalã, carregada de elementos decorativos e de cunho naturalista que parecem ter saído de um sonho, principalmente em suas fachadas. Ao entrar, você recebe um áudio-guia para fazer o tour da casa na língua que desejar. Achei isso bem tecnológico e legal! É interessante ver como é por dentro uma casa arquitetada por Gaudí e no caso, ver os diferentes elementos relacionados ao mundo marinho e o significado por trás de cada “detalhe louco” kkk. O tour começa no térreo e vai subindo até chegar no rooftop, que sinceramente não me impressionou, por isso sugiro começar por aqui, porque depois de visitar a La Pedrera, esta casa não vai ter graça! As partes que mais gostei foram os azulejos policromáticos azuis e as janelas com os vidros coloridos no primeiro andar.

EL NACIONAL

Após visitar a Casa Battló, eu continuei caminhando na Paseo de Gracia, descendo em direção à Plaça de Catalunya e o bairro gótico. Curiosa que só, passei na frente do Mandarin Oriental e não resisti – entrei rapidamente para conhecer o rooftop do hotel! É bonito, sem dúvida, mas não me impressionou! Achei o espaço até meio apertado. Continuei caminhando e poucos passos depois eu cheguei no El Nacional, uma espécie de Eataly local. Trata-se de um enorme complexo gourmand de 2400m², com quatro restaurantes e quatro bares de cerveja, vinho, ostras e caviar! O lugar é super bonito e vive cheio! Próximo dali, tem o bar de tapas Cerveceria Catalana, uma instituição em Barcelona que vive lotado, então chegue bem cedo para conseguir uma mesa (tipo 11:30/12pm)!

BAIRRO GÓTICO

Continuei descendo a “5th Avenue” de Barcelona kkk rumo ao bairro gótico. A avenida Paseo de Gracia concentra todas as grandes marcas, assim como as gigantes espanholas como a Zara e Desigual. Não deixe de entrar na loja multimarcas Santa Eulalia! A loja aliás, fica do lado do Monument Hotel. No final da avenida, já na Plaça de Catalunya, você encontra a loja de departamento El Corte Inglés. Aqui tem uma excelente seção gourmet no subsolo, vale a pena comprar o excelente açafrão espanhol e o delicioso “torrone”. Outro lugar top para comprar guloseimas doces assim é a lojinha La Cure Gourmande, na Carrer de Feran, no bairro gótico. Aqui você encontra “calissons”, “torrones”, caramelos, chocolates, etc ! É mara! Eu comprei uma caixa grande de caramelos sortidos! O emblemático bairro gótico de Barcelona é muito característico e charmoso! Situado dentro da Ciutat Vella (a Cidade Velha), o núcleo histórico da cidade, o bairro contém mais de 500 construções tombadas. As ruas aqui são irregulares e muitas vezes estreitas. Infelizmente, nessa região eu notei uma presença grande de moradores de rua. Eu não tive tempo, mas aqui é imperdível visitar a Catedral de Barcelona (não confundir com o Templo da Sagrada Familia de Gaudí).

Estava tão quente no domingo que só um sorvete delicioso para me refrescar – parei na sorveteria Amorino. O sorvete aqui é uma delícia e ainda vem num formato de rosa! Fofo! Kkk. Segui andando pelas ruelas do bairro até chegar na famosa avenida La Rambla. Como parte de um passeio, é gostoso andar por aqui, pois a avenida tem uma enorme parte pedestre e é toda arborizada. Desci a avenida até chegar na Plaça Reial, outro marco da região, com luminárias feitas por Gaudí e cheia de restaurantes, cafés e palmeiras! É lindo! Como estava sozinha, infelizmente não tinha ninguém para me fotografar sentada na fonte no meio da praça hahaha. Aproveite para se refrescar e tomar uma sangria gelada em um dos cafés aqui enquanto admira a beleza da praça na sombra! Como vocês podem perceber, fiz uma caminhada e tanto no domingo né?! Kkk. Mas não parou por aí! Eu saí da praça e fui andando em direção ao bairro de El Born, uma espécie de continuação do bairro gótico. No caminho eu passei pela Plaça de Sant Jaume, o centro administrativo de Barcelona, onde ficam as sedes da prefeitura da cidade e do governo da Catalunya.

EL BORN

Situado dentro da Ciutat Vella, na região da La Ribera, o El Born é hoje um dos bairros mais descolados da cidade. Aqui as ruas são ainda menores e mais apertadas que no bairro gótico! Há inúmeras lojinhas, cafés e restaurantes aqui que valem ser conferidos, como a loja Ale-Hop, cheio de cacarecos (eu adoro)! Tem muita lojinha legal na rua Passeig del Born e em volta dela. Essa antiga rua medieval liga o antigo Mercat del Born à Paróquia Santa Maria del Mar, a única igreja construída em estilo gótico catalão sem influências de outros tipos de arquitetura. É na Passeig del Born que você encontra o famoso Museu Picasso, instalado em cinco prédios góticos interligados, com uma coleção permanente formada por mais de 3800 obras de diversos períodos do artista. Eu queria muito ter conhecido este museu, mas quando cheguei na frente os ingressos para o dia já estavam esgotados e o museu fecha às segundas! Ficou para a próxima! Por isso repito, é importante se organizar com antecedência e comprar todos os ingressos online. Não da pra ir levando e resolvendo na hora igual em outras cidades kkkk. Ao lado do museu, tem dois super restaurantes situados um na frente do outro: o El Xampanyet, um bar de tapas onde você come em pé junto com os locais enquanto degusta uma “cava” da casa, e o Tapeo. Falando em tapas, além dos mencionados acima, os melhores restaurantes para comer tapas em Barcelona são: Bar Cañete, Cal Pep, Paco Meralgo, Mont Bar, Bar Mut, Bodega 1900, Ciudad Condal e o Tickets (esse último é disputado, tem que reservar, se conseguir kkk)!

TAPEO

Eu fiz um pit-stop para o almoço nesse delicioso bar de tapas! O concierge do hotel tinha indicado ambos os restaurantes, mas como estava meio tarde, o El Xampanyet já estava fechado. Eu gostei bastante do Tapeo! Sentei no balcão, pedi uma taça de vinho branco e comecei a pedir tapas! O bom desses lugares é que você não precisa comer um prato prato – as porções de tapas são pequenas, você determina a quantidade que deseja de cada item! Provei as “croquetas de jamón” (amo) e a famosa “bombeta de la barceloneta”, uma bola frita de batata recheada com carne moída, servido com um aioli de alho e tomate picante (“salsa brava”)! Estava incrível!! Poderia comer só isso! Hahaha. Provei mais algumas coisinhas antes de continuar meu passeio ?

PARC DE LA CIUTADELLA & ARC DE TRIOMF

Antes de voltar para o hotel e relaxar, apesar do calor, eu resolvi caminhar até o Parc de la Ciutadella e o Arc de Triomf. O parque é uma das principais áreas verdes da cidade e foi inspirado no Jardim de Luxemburgo em Paris, na França. Ele é super bonito, com lindos lagos e esculturas. Achei especialmente simpático os barquinhos que você pode alugar para dar uma volta no lago! Kkk. O parque ainda oferece alguns museus e um zoológico! O Arc de Triomf fica logo em frente à entrada do parque, e não preciso nem dizer que ele também foi inspirado na França né?! Kkk. O imponente monumento de quase 30 metros de altura foi construído em 1888 para servir como o portão principal da Exposición Universal de Barcelona, e marca a entrada da cidade na modernidade.

MIRABLAU BALCONET

Voltei para o hotel para fazer uma massagem e “freshen up”. Marquei de jantar com um casal de amigos somente às 22h30, então aproveitei para encaixar mais algumas coisas no meu dia. Tomei um banho e segui em direção à Tibidabo. Tibidabo é um parque de diversões antigo no topo da montanha, com uma vista incrível da cidade. É o ponto mais alto de Barcelona e tem uma linda igreja no topo. A ideia era conhecer o parque e ver essa tal vista panorâmica, e depois descer para o bar Mirablau Balconet para assistir ao pôr do sol enquanto eu saboreava um drink antes do jantar. Mas não deu tempo e tive que abortar o Tibidabo, uma pena.  Outro lugar com vistas panorâmicas incríveis da cidade para ver o sunset é nos bunkers El Carmel. A rua que sobe a montanha para Tibidabo é uma graça! Imagino que seja um bairro residencial nobre, pois tem muitas casas grandes, bonitas e antigas por lá! Tomei meu sunset drink então no bar Mirablau, um local com mais de 25 anos de história. O Mirablau é na verdade um restaurante tradicional que possui também um terraço embaixo para drinks, mas eu recomendo sentar no Balconet, que é o bar mais informal do restaurante, logo ao lado.

Barcelona em 36 Horas - Bar Mirablau Balconet

O lugar é bem simpático, com um grande balcão virado para a vista panorâmica da cidade. O serviço nesse dia estava meio lerdo, mas vale a pena. Atenção: esse lugar é somente para drinks, não tem nada para comer! Junto com as bebidas eles servem apenas azeitonas ou amendoins! Kkk. No cardápio você encontra uma enorme lista com diferentes tipos de Gin Tônicas – achei demais, mas foi difícil escolher haha! Resolvi provar um diferente, o “5th Pure Red Fruits”, que nada mais era do que um gin cor de rosa (!!!) com framboesas e amoras! Achei melhor que o #GT tradicional, estava uma delícia! Fora que combinou com as cores do sunset hahaha. O Gin Tônica continua sendo uma obsessão para os espanhóis que deram um twist nesse drink clássico. Servidos em taças grandes com enormes cubos de gelo e diferentes tipos de especiarias e infusões, cada bar tem diferentes tipos de gin! Recomendo degustar vários diferentes para eleger seu favorito!

BOCA GRANDE & BOCA CHICA

Unânime nas recomendações, jantei no badalado restaurante Boca Grande, situado bem ao lado do meu hotel. Aliás, na mesma rua, quase vizinhos, você encontra outros dois excelentes restaurantes: o Petit Comité e o Mordisco. Apesar de ser grande, o Boca Grande é aconchegante, pois é dividido em vários ambientes. Nossa mesa era numa salinha logo na entrada. O local serve um mix de cozinha mediterrânea e catalã. A comida estava muito boa, pedimos um Wagyu SUPER macio, além de provar as diversas croquetas etc. Os mariscos estavam campeões e as batatas bravas eu não conseguia parar de comer hahaha. Saí rolando basicamente kkk. As sobremesas são muito boas também, eu pedi cerejas cobertas com chocolate branco (uma coisa!) e meus amigos pediram um praliné de chocolate. Sabe como alguns restaurantes têm banheiros divertidos e diferentes?! Esse é um deles! O banheiro do Boca Grande é unissex, tem um piano branco no meio, uma caixa de som grande com música bem alta, dezenas de espelhos pendurados e tudo iluminado com velas – vale conhecer!

Depois do jantar subimos para o lounge acima, o Boca Chica, também super recomendado por todos! O bar é super bonito, todo de madeira com prateleiras de vidro iluminadas, refletindo no espelho atrás. É bem aconchegante também. O cardápio de drinks é muito legal, bem variado, com várias criações originais da casa. Inclusive, o barman daqui ganhou em 2015 o prêmio de melhor Gin Tônica da Espanha! Nós provamos kkk. A apresentação também é um dos destaques, mas tudo isso vem com um preço alto a se pagar – os drinks são caros! Mesmo assim, acho que vale super a pena conhecer o Boca Chica! 

DAY 2

LA PEDRERA

A incrível construção La Pedrera é uma das obras mais famosas de Gaudí e um dos cartões postais de Barcelona. Parada obrigatória, o prédio foi construído entre 1905 e 1907 como residência para a família Milà, por isso possui também o nome de “Casa Milà”. Já o nome “La Pedrera” se deve à sua semelhança com um grande bloco de pedra. Em 1984, a Casa Milà foi declarada Patrimônio Mundial pela UNESCO. O highlight da visita é sem dúvida o telhado, que possui chaminés que se assemelham a guerreiros e mais parece uma paisagem lunar! Não existe nada igual!  Sou encantada com esse rooftop desde pequena –  era uma das minhas poucas memórias de Barcelona! Assim como a Casa Battló, a visita também é feita com um aúdio-guia. Para subir no telhado você precisa pegar um elevador ou então pode optar subir pelas escadas, lembrando que são 8 andares! Como a fila do elevador estava relativamente grande e meu tempo estava cronometrado até o último milésimo hahaha, resolvi ir pelas escadas. Até porque, Barcelona é sinônimo de #FoodComa kkk então um exercício de vez em quando é bom! Queimei as croquetas do dia anterior hahaha. Gente, o telhado é realmente imperdível! Ele possui 38 esculturas diferentes e a maioria são chaminés! Tem até chaminé coberta com cacos de vidro de garrafas de champagne! Sendo arquiteto, Gaudí sabia que todo telhado precisava ter chaminés, mas segundo ele, isso não dizia que elas precisavam ser feias! E foi então que ele resolveu disfarçá-las com esculturas, criando este cenário de outro mundo. É um must! Se você tiver pouquíssimo tempo na cidade e tiver que optar, vá conhecer somente a Casa Milá e o Templo da Sagrada Familia, e pula os outros. Para mim são as obras primas de Gaudí.

MERCAT DE LA BOQUERIA

Depois de visitar o edifício da La Pedrera, fui conhecer o Mercat de la Boqueria na avenida La Rambla. Vou te falar…difícil resistir todas guloseimas viu?! Não vá com fome ou então vá, e aproveite para almoçar aqui. Situado dentro do mercado, o Pinotxo Bar é considerado um dos melhores bares de tapas da cidade. Aproveite para comprar ingredientes locais, prove os sucos de frutas frescos (eles são colírio para os olhos) e deguste chips de jamón enquanto se aventura pelo mercado. As crianças vão amar – tem um monte de barracas de balas e doces. Se você quiser, você encontra até pão de queijo! Infelizmente o meu tempo no segundo dia era mais curto ainda, pois tinha que pegar um voo no final do dia, então não consegui conhecer o Mercado de Santa Caterina, mas todo mundo diz que é imperdível. Ele passou por uma ampla reforma em 2005 e agora está todo colorido, iluminado e espaçoso. Se você tiver a oportunidade, prove as “gambas al ajillo” (camarões alho e óleo) no restaurante Cuines Santa Caterina, situado dentro do próprio mercado.

PARK GÜELL

Na volta do mercado eu fiz uma paradinha estratégica na loja flasghip da Zara. A loja é ENORME, fiquei até perdida! Nem gosto de loja tão grande assim – você não consegue achar o que quer e a fila do caixa é quilométrica, mas até que andou rápido, eles foram bem eficientes. Deixei as sacolas no meu hotel, pois era caminho, e fui para o famoso Park Güell. O parque foi inicialmente construído em 1900 como um parque privado, e pretendia imitar as residências londrinas que possuem jardins exclusivos e privados em volta das residências, eis o nome “park” também. Hoje o Park Güell é aberto ao público e possui algumas obras de Gaudí.  Em 1984 a UNESCO declarou o parque patrimônio cultural da humanidade. Por ser ao ar livre, a visita é ideal em dias ensolarados, mas quando eu fui, nossa, o calor tava DEMAIS. Sensação térmica de 40º C! No final do tour, eu aproveitei que tinha um snack shop dentro do parque e comprei uma água gelada (que calor meu deus) e um bocadillo para tapear a fome. O parque é muito bonito, sem dúvida, mas lembro de ter ficado mais impressionada da última vez.

LA SAGRADA FAMILIA

Minha próxima parada foi o Templo da Sagrada Familia, o monumento mais visitado da Espanha e onde Gaudí morou durante os últimos 15 anos de sua vida, até sua morte em 1926. Inclusive, ele está enterrado aqui, na cripta ta Igreja. Nada sobre essa igreja é comum, a começar pelo fato de que ela começou a ser construída em 1882 e ainda não foi finalizada! O arquiteto espanhol dedicou mais de 40 anos da sua vida a esse projeto, que promete ser o maior templo católico da Europa, com capacidade para 14 mil pessoas! A construção da igreja é totalmente financiada com doações e o valor arrecadado através das visitas. Hoje, das 18 torres planejadas por Gaudí, apenas oito estão finalizadas – quatro na fachada da natividade e quatro na fachada da paixão. A obra deve ser finalizada entre 2026 (centenário da morte de Gaudí) e 2028. Quando ela estiver pronta, a Sagrada Familia terá 170 metros de altura, tornando-se a igreja mais alta do mundo!! Das 18 torres, uma é dedicada a Jesus e será a mais alta, uma a Maria, doze aos apóstolos e quatro aos evangelistas. Todas terão mais de 100 metros de altura! Loucura né?!

Barcelona em 36 Horas - Sagrada Familia

Além de comprar a entrada normal, você também pode comprar o ingresso que dá acesso ao topo de uma das torres! Você pode subir a torre da fachada da paixão, com vista para o centro da cidade, ou da fachada da natividade. com vista para o leste da cidade. O acesso à cada uma é separado, então você deve escolher qual prefere subir na hora de comprar o ingresso. Por motivos de segurança, crianças com menos de 6 anos de idade não podem subir nas torres, e menores de 16 anos devem estar acompanhados por um adulto. E não é a toa – um elevador te leva para o topo da torre, a 65 metros de altura! Eu comprei o ingresso para subir na torre da fachada da paixão e valeu a pena! Não deixe de fazer isso. Assim como a entrada, você também terá uma hora certa para subir, informada no seu ingresso. Não atrase – senão você não poderá subir! Como eu cheguei em cima da hora, fui direto para a torre! O elevador que te leva ao topo comporta 7 pessoas. Do alto, temos uma vista espetacular da cidade e da própria igreja! O problema é descer kkk. A descida é a pé, são 400 degraus numa escada caracol, dá muita aflição olhar para cima ou para baixo, e você chega até a ficar um pouco tonto no final! Pelo menos a vista na descida permite você a dar uma espiada maior na construção através de janelas e frestinhas kkk. É claro que guindastes fazem parte do cenário, mas mesmo assim é tudo muito bonito!  

Por fora, a igreja é imensa – o prédio possui três fachadas diferentes e cada uma representa uma parte da história de Cristo. Junto com a cripta, a fachada da natividade foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO em 2005. Por dentro, a Sagrada Familia é indescritível! Na minha opinião, essa é a mais linda e fascinante de todas as obras de Gaudí na cidade – a verdadeira obra prima! Eu confesso que não lembrava da igreja por dentro e fiquei encantada! Tudo é lindo e impressiona, desde o trabalho nas pedras, até o uso de espaço e cores. As imponentes colunas projetadas por Gaudí são inspiradas na natureza, uma característica típica do seu trabalho. As colunas se erguem como troncos de árvores por mais de 30 metros de altura, criando uma espécie de floresta de pedra. Se você prestar atenção, bem no topo, é como se esses “troncos” se ramificassem. E para fechar com chave de ouro, vitrais coloridos foram projetados para jogar luz, colorindo o interior da igreja. O efeito é super lindo! Imperdível! 

CECCONI’S

Depois de visitar a Sagrada Familia eu fui almoçar no Cecconi’s, o restaurante italiano do Soho House, situado no Passeig Colom. Durante a semana, o serviço é ininterrupto, o que é legal, pois você pode comer a qualquer hora do dia! Aos domingos, assim como nos outros Cecconi’s ao redor do mundo, rola o famoso brunch deles (excelente por sinal), então esse é o único dia que o restaurante fecha a tarde. A comida estava ótima, de entrada provei o “gnocchi romana” e de prato principal comi o “agnolotti dal plin” com trufas! O atendimento estava bom e o restaurante é bem frequentado, com gente bonita! É uma opção legal para o almoço ou o jantar. Outra opção excelente é o Da Greco, considerado por muitos o melhor restaurante italiano da cidade! Eu queria ter conhecido o rooftop do Soho House, mas é para members only  . Por indicação do concierge, fui conhecer então o rooftop do hotel The Serras, ao lado do Soho House. Não é nada de especial, mas ele tem uma vista bonita então pode ser uma opção legal também.

BARCELONETA

Para concluir o meu “city tour” hahaha eu peguei um taxi para o W Hotel em Barceloneta. A ideia original era alugar uma bike e pedalar toda essa parte de Barceloneta até o Peix d’Or, no Port Olimpic. Esse aliás, é um programa super legal para fazer num dia bonito! Nessa região tem um monte de lojas que alugam bicicletas por um preço até que razoável. Inclusive, se você fizer esse passeio num dia ensolarado, não deixe de almoçar no Pez Vela e provar sua paella. O restaurante fica na praia, bem embaixo do W Hotel. Outra sugestão é almoçar no Xiringuito L’Escribá, também na praia. Se você quiser curtir o dia bonito longe da praia, almoce no Martinez. O restaurante fica no topo de uma montanha e possui um lindo terraço com vista panorâmica! Para chegar aqui, basta pegar o teleférico. Eu sei que muitas pessoas associam Barcelona à praia, mas eu pessoalmente achei a praia de Barceloneta meio farofa…não sei, não faço questão de ir. Eu também não me hospedaria no W, acho ele muito isolado e afastado do resto da cidade! Eu prefiro e recomendo ficar na região que eu estava, na Paseo de Gracia, perto de tudo! Voltei para o hotel absolutamente exausta e morrendo de calor! Hahaha. Tomei um banho, fechei as malas e fui para o aeroporto! A passagem por Barcelona foi rápida demais, mas é bom porque agora eu tenho um motivo para voltar ? 

DICAS EXTRAS

Apesar de não ter tido tempo suficiente, os seguintes lugares estavam no meu roteiro, então resolvi dividir essas dicas extras com vocês. PASSEIOS: visitar o MNAC, ver o show das águas na Fonte Montjuic à noite, conhecer a Fundació Joan Miró e também Montserrat e seu impressionante monastério. Recomendo também visitar o museu do Salvador Dali em Figueres, é o máximo! Para os amantes de futebol, não deixe de visitar as instalações do FC Barcelona no estádio! RESTAURANTES: Para uma experiência gastronômica, tente reservar o Enigma, o novo restaurante do Albert Adrià, ou então vá no Comerç 24, com cozinha molecular e uma estrela Michelin. Para uma refeição típica, vá no tradicional 7 Portes. No badalado hotel Casa Camper, você encontra o restaurante Dos Palilos, que combina comida asiática e espanhola. Para os mais saudáveis, o Flax & Kale foi recomendação unânime para comidinhas mais funcionais, opções vegetarianas, etc. BY NIGHT: Não deixe de tomar um drink em um dos muitos badalados rooftops da cidade, como o Dolce Vita no Hotel Majestic, o Eclipse no W Hotel, e os terraços dos hotéis Grand Central e OMM. As baladas do momento são a Sutton, Opium e Bling Bling. Para um lounge ao ar livre, na beira da praia, vá no CDLC. E por último, faça um programa noturno típico catalão e vá numa taberna de sangria. Situada perto das Ramblas, a taberna Ovella Negra é bem rústica e charmosa.

Related Posts

Solicitação de reserva

Você optou por receber informações sobre esta viagem

URL:

Voltar