DIdi Krepinsk

Reserve Aqui 03/03/2017

Cansada da mesmice, ano passado eu me prometi que não passaria mais o ano novo em Trancoso, na Bahia. Esse teria sido meu sétimo ano lá e quarto réveillon consecutivo. Então resolvi fazer algo diferente – viajei com uma turma de amigos italianos para um lugar paradisíaco e divertido no México! E não me arrependi! Pelo contrário, eu amei, e foi a melhor decisão que fiz!

THE TRIP

LOCATION: Tulum, Quintana Roo, México

WHEN: DEZ/16 – JAN/17

DAYS: 16

the hotels

Mesmo reservando com uma certa antecedência, em outubro, a maioria dos hotéis bons já estavam lotados então tivemos que nos virar para conseguir quartos. A solução foi trocar de hotel e também de quartos durante a viagem! Um monte de gente teve esse mesmo problema. Confesso que estava meio preocupada e achando ruim no começo, mas foi super tranquilo e valeu conhecer mais de um hotel!

MI AMOR

Nas primeiras quatro noites me hospedei no hotel boutique Mi Amor, pertencente ao grupo Colibri. Adorei o hotel, o meu quarto era lindo, de frente para a praia e com vista para o mar, tinha uma jacuzzi no terraço, e excelente banheiro. O ar condicionado também funcionava bem (importantíssimo para mim)! A cor do mar na frente do hotel era surreal! O hotel é relativamente novo, inaugurou em 2016, e é bem pequeno e exclusivo. Super lindo e romântico, achei ele ideal para casais. O café da manhã é excelente! Os únicos “defeitos” é que o hotel não possui praia – você pode tomar sol nas pedras em cima do mar, e ele fica um pouco afastado dos principais restaurantes e lojinhas.

LA ZEBRA 

No quinto dia mudei para o hotel La Zebra, do mesmo grupo, onde me hospedei pelo restante da viagem – 11 noites! Situado na estradinha principal da praia, bem na praia, o hotel é super bem localizado, perto de todos restaurantes e lojinhas (dá pra ir a pé). Ele é antigo, mas no início de 2016 teve um incêndio que queimou uma boa parte do hotel, então ele foi inteiro refeito e reformado. Ou seja, ele estava novinho em folha! Tivemos que trocar de quarto 3 vezes (um perrengue eu sei) mas todos eram excelentes! Fiquei impressionada. O ar condicionado era super forte então ganhou muitos pontos comigo! kkkk. O clima do hotel era bem mais festivo que o outro e tinha mais a ver com a ocasião (réveillon animado). A praia do hotel era boa, serviço rápido e eficiente, mas as vezes ficava muito cheia e era ponto de passagem. O hotel também não era tão calmo igual ao Mi Amor, e as vezes a gente conseguia escutar as aulas de salsa que acontecem em certos dias. Uma coisa que me incomodou no hotel foi a ausência de telefone no quarto. Parece besteira, mas toda vez que precisava de alguma coisa ou queria pedir alguma informação, eu tinha que sair do quarto e me dirigir até a recepção, etc.

the SIGNS

Super pitoresca, Tulum está cheia de placas e sinais divertidos!

the swings

Os balanços são marca registrada de Tulum. Você vai encontrar milhares espalhados em todos os cantos da cidade.

the beach

A praia de Tulum é LINDA! Não preciso nem falar que meu programa todos os dias era praia! A areia é branca e fina, a água cristalina e azul-turquesa, e mesmo sendo inverno a água do mar estava deliciosa! A praia é linda até num dia chuvoso e nublado, e se você tiver sorte, com direito à um arco-íris! Como a praia é bem comprida, alguns pontos são melhores que os outros. Eu pessoalmente prefiro a parte da praia onde estão situados os hotéis Be Tulum, Nômade e Casa Malca, e também a parte onde fica o Hemingway Romantic Eco-Resort. Todo dia de manhã pegava minha bicicleta e pedalava para algum hotel, onde passava o dia na praia. A praia de Tulum é pública então teoricamente você pode usar a praia de qualquer hotel, mas alguns são chatos e restringem o acesso e uso da praia para os seus hóspedes. Esse é o caso do Be Tulum e do Nômade, especialmente durante a alta temporada! E eles encrencam até mesmo na baixa estação – passei por isso quando fui em maio/15!  As vezes eles permitem o day use, e aí o ideal é chegar cedo na praia, para se garantir. Como eles não permitem o uso das camas (reservadas apenas para hóspedes), você tem que se contentar com alguns pufes na areia, e quando esses lotam, ninguém mais entra! Para o day use eles costumam cobrar uma consumação mínima de USD 50 por pessoa que você também pode gastar no restaurante do hotel, então é tranquilo. Se você tiver amigos hospedados nesses hotéis ajuda! Foi o meu caso. Além da praia do meu hotel, o La Zebra, eu frequentei muito a praia do Nômade, do Be Tulum, e da Casa Malca. Aliás, vale visitar o hotel Casa Malca só pelas fotos! Antiga mansão do Pablo Escobar, o hotel é bem cool e todo artsy. Outro lugar que é um must é a praia do Coco Tulum. Talvez seja o lugar mais pitoresco da praia! Todo branco, os balanços são marca registrada aqui e sempre aparecem no instagram. A praia do hotel Alma Tulum também é legal!

the biking

A melhor maneira de locomoção em Tulum é de bicicleta! Além de ser um excelente exercício, é bem mais barato. Fora que é simpático pedalar pela estradinha, se bronzeando de bikini, e parando ao longo do caminho. A maioria dos hotéis alugam bicicletas para os hóspedes e custa aproximadamente 220 MXP por dia, por pessoa, o equivalente à USD 11. Não é muito.

the drinks

O negócio aqui é Tequila e Mezcal, afinal você está no México! Mezcal é uma bebida alcóolica destilada típica do país, produzida a partir do sumo fermentado do agave. Apesar de ter um gosto parecido, o Mezcal é diferente da tequila, pois a bebida é destilada apenas uma vez, ao invés de duas ou três. Aproveite para beber muitas margaritas (em todas as suas variações e sabores) e provar alguns drinks diferentes com Mezcal. Como Tulum tem muito desse negócio de ser saudável e orgânico, os sucos naturais também são muito bons!

the food

A comida em Tulum é uma DELÍCIA! Sem exageros! Tudo é muito saboroso e costuma ser saudável e orgânico. Se jogue nos tacos, ceviches, guacamole, etc…

the restaurants

Os restaurantes de Tulum vão te surpreender! A maioria são bons! Mesmo ficando 17 dias, não conseguir ir em todos que eu queria e me recomendaram, como o Mina e o Kitchen’s Table, porque acabei repetindo alguns várias vezes de tão bom! Kkkk. Mas vamos começar pelo café da manhã! O Mur Mur fica bem no meio do buxixo, e é o melhor lugar para o desayuno de Tulum! Os sucos são deliciosos e o french toast deles é dos deuses! Fazia tempo que eu não comida um tão bom, tanto que fui 2 vezes! O legal do mur mur é que ele serve café até tarde, mas isso também é um problema, pois os ingredientes vão acabando e eles não repõem. No primeiro dia do ano estava sonhando com o french toast, mas como cheguei lá só 2pm, já não tinha mais nenhum tipo de pão, fiquei arrasada! hahaha

Na primeira noite fui pega de surpresa ao descobrir que as cozinhas fecham cedo, a maioria às 22h. Então nos indicaram o restaurante Cenzontle que fica aberto até mais tarde (cozinha fecha às 23h). Foi bem gostoso, valeu a dica! O restaurante do Be Tulum é uma delícia!! Vale super a pena reservar uma mesa para o almoço e aproveitar antes a praia na frente. Além de saborosa, a comida é toda colorida, apetecendo visualmente também. No cardápio tem de tudo – tacos, ceviches, frango grelhado, xburger, etc. Almocei lá no segundo dia e no último, quando o movimento do réveillon já estava mais tranquilo! Dos mesmos donos do Be Tulum, o novíssimo hotel Nômade é o point de gente bonita na hora do almoço! Possui dois restaurantes, um meio marroquino e coberto, e o grill, restaurante na praia ao ar livre com vista para o mar! As mesas são baixinhas e fixadas na areia, e você senta em cima de almofadas sobre um tapete. Melhor vista e melhooor beef tacos de Tulum, sem dúvida! Além de tacos (de todos os tipos), o cardápio também oferece uma seleção grande de frutos do mar grelhados na hora. Comi aqui várias vezes hahaha, mas apenas uma vez no outro restaurante, e só porque estava chovendo! Kkk.

O restaurante que mais frequentei em Tulum foi a Posada Margherita. O restaurante (e hotel) é administrado por italianos então a comida é fantástica! O menu é bem enxuto – apenas quatro pratos de massa fresca, dois de peixe, e três de camarões. Mesmo com poucas opções, é bom demais!! De entrada eles servem uma focaccia caseira, de diferentes sabores, quentinha e fresquinha. Os sucos naturais são uma loucura! Meu predileto é o “Gin Lemon” feito com maçã verde. Eles são servidos numa jarra tão grande que podem ser divididos. O lugar é uma excelente opção tanto para o almoço quanto para o jantar. As vezes eles fazem um house special of the day – peça, não vai se arrepender!

Tem que ir jantar no Gitano pelo menos uma vez, ele é super badalado, todo romântico, iluminado com várias velas pequenas, e dependendo do dia, rola uma baladinha bem legal no fundo, onde tem uma pista e cabine de DJ! Talvez o meu restaurante preferido de Tulum seja o Casa Banana! Só conseguir ir duas vezes, mas sonho com o prato que comi lá!! Uma espécie de churrascaria argentina, lá você encontra chorizo, empanadas, crepes de dulce de leche, e o melhor pedaço de carne que já comi! Que tempero e sabor!! O lugar é concorrido então chegue cedo (o jantar começa a partir das 18h) e se prepare para esperar na fila, prometo que vale a pena. Aproveite para degustar a seleção de drinks da casa enquanto isso. Outro restaurante delicioso para um almoço despretensioso é o Hemingway. O lugar é simples e pequeno, mas super charmoso. É conhecido por ter o melhor peixe de Tulum! A cozinha é italiana e o “menu” (uma lousa onde os pratos do dia são escritos) oferece poucas opções. Eu não resisti e pedi uma massa simples com molho de tomate rústico (estava ótimo), enquanto meus amigos se deliciaram com a mariscada da casa, um spaghetti com frutos do mar parecido com a do restaurante Lo Scoglio, em Nerano, na Itália. O arremate final fica por conta da música ao vivo durante o sunset.

Outros restaurantes bons, mas menos memoráveis foram o Casa Malca, o orgânico Arca, e o El Tabano. Nas primeiras noites fomos jantar no badalado Casa Jaguar, o único que aceitou uma reserva para comemorar o aniversário de uma amiga. Sempre ouvi falar bem, mas confesso que os drinks e a comida não me impressionaram. O cardápio é meio eclético e a cozinha uma mistura de comida italiana e tailandesa. Acho que tem outros melhores se você estiver visitando por um curto tempo. Entretanto, o ambiente do restaurante é super legal, e o bar é bem animado! Outro restaurante com reputação boa é o The Real Coconut no hotel Sanara. O ambiente é super legal, em cima da praia com uma bela vista do mar, mas a comida deixou a desejar um pouco. Achei bem ok! Muita gente ama, mas imagino que sejam os vegetarianos e veganos, pois o menu possui muitas opções de pratos orgânicos e saudáveis, como saladas, quinoa, etc. Tudo no cardápio é sem glúten!

E por último, não poderia deixar de falar do Hartwood, uma instituição e a mesa mais disputada de Tulum! O dono (e chef) Eric Werner é um nova-iorquino que cria pratos internacionais utilizando ingredientes locais, feitos em um forno à lenha. O restaurante é cheio de frescuras: abre apenas para o jantar, das 18 às 21h, só aceita dinheiro, está fechado às segundas e terças-feiras, e não aceita reservas. As filas começam a se formar antes mesmo do restaurante abrir, então o quanto antes chegar, maior suas chances. Tem gente que já foi mais de uma vez pra Tulum e nunca conseguiu lugar! Eu dei sorte as duas vezes, ainda bem! Mas eu descobri um esquema que vou dividir com vocês kkk entre no site do restaurante e mande um e-mail solicitando uma reserva. As vezes eles aceitam, as vezes não, tem que torcer para eles responderem!

the shops

Compras não é o forte de Tulum, mas dá para fazer uns bons achados! Eu recomendo andar pela estradinha principal, entrando nas boutiques dos principais hotéis e fuçando as lojinhas, para ver se encontra algo legal! Todas as lojas ficam na estradinha principal da praia, a mesma que dos hotéis. Entre as lojas, não deixem de conferir as seguintes: boutique da posada margherita, Km 33 para bolsas e chapéus de praia, Lolita Lolita, The Wanderlust, Hoki Poki Kana, Luca Colosimo para bolsas de couro italianas feitas à mão, e a loja La Troupe para capas de almofadas fofas e bijoux. A loja Caravana é um must para quem gosta de saídas e roupas cool de linho! A marca é relativamente conhecida e vende suas peças na boutique do Skorpios, em Mykonos. Não deixe de comprar uma das muitas batinhas mexicanas coloridas à venda.

the parties

Durante a alta temporada no réveillon e em janeiro, o agito invade Tulum e todo dia tem uma festa diferente! Mas as festas só começam a partir do dia 28 /12, até então é tudo mais pacato. No restante do ano, só tende a rolar agito nos finais de semana, em lugares como o Gitano. A primeira festa oficial foi na praia do Ahau, um hotel pé na areia. Foi super legal. No dia seguinte rolou uma festinha nos fundos da Casa Jaguar, que vira uma mini-boate! Teve festa na praia no final do dia na Casa Violeta, um restaurante italiano, e também uma festa num acampamento chamado Maxa Camp, mas essa eu não fui. A Casa Malca era palco do “after” oficial em Tulum – sempre rolava lá. No réveillon, durante a temporada do festival de música eletrônica BPM, tudo sempre acontecia no hotel! Logo depois do réveillon teve outra festa no Ahau, dessa vez mais tranquila.

Para quem gosta de uma balada forte, as festas BOAS mesmo acontecem a partir do dia 4 de janeiro. Rola uma troca de turmas nessa data e começa a chegar o pessoal que vem para o festival BPM. O festival em si acontece em Playa del Carmen, e eu não recomendaria, mas o legal é ficar em Tulum mesmo, onde ocorrem todas as festas privadas em villas com os melhores DJs do mundo que estão lá para tocar no festival!  Fui numa festa oficial do Burning Man na Casa Palapa, a Mayan Warriors, que foi incrível! A melhor festa da viagem na minha opinião! O caminhão utilizado no BM do ano passado estava lá, muito show! Só tinha gente bonita, tudo ao ar livre, música muito boa e um super astral! Eu amei! Saí exausta da festa hahaha. Outras festas top que aconteceram por lá foram a Sonorous Tulum no Cenote Zamna, onde tocou o DJ Dixon, a Woomoon no Papaya Playa Project, e por último, a festa fechada SacBe, que acontece anualmente em Playa del Carmen, numa villa no meio do nada! Nessa você precisa ser convidado, mas vale a pena! Super diferente!

new year’s eve

Passei a ceia e a virada do ano na villa de uns amigos mexicanos, na frente do mar e pé na areia. Eles convidaram apenas 100 pessoas, só gente bonita, e acabou virando uma festinha depois do jantar! Por volta das 1/2h da manhã, fomos para a festa organizada pelos hotéis Be Tulum e Nômade (pertencem ao mesmo dono). A festa foi na praia e era necessário comprar o convite antecipadamente, pois esgotou tudo um dia antes! Lembrando o nosso réveillon no Brasil, montaram a festa na areia e fizeram um cenário lindo, todo iluminado, e com banheiros excelentes! A festa estava bem organizada e o som estava incrível!!! Eu amei! Por volta das 5h, o pessoal começou a migrar para a festa da Casa Malca, hotel vizinho do Nômade. Como mencionei, foi lá o “after party” do réveillon que durou altas horas. O cenário estava demais e me lembrou o Faena de Buenos Aires! Kkkk. Eu adorei passar o réveillon em Tulum, achei as festas ótimas e o povo bonito! Claro que não estava no Brasil então senti falta de ver todo mundo usando branco e dos fogos.

the SPA’s

Durante a viagem eu fiz três massagens! A primeira foi no hotel Mi Amor e não gostei muito! Também achei o spa do hotel micro – tá mais para uma sala de massagem do que spa, mas tudo bem hahaha. A segunda massagem fiz no La Zebra. Chamaram uma massagista para o meu quarto, o que foi ótimo, mas também não foi nada de excepcional. Mas eu acertei em CHEIO na última. Desde que abriu em 2015, quando fui a primeira vez, estava louca para conhecer o spa do Be Tulum que fica do outro lado da rua do hotel, o Yäan Wellness Healing Center. Meu deus, que massagem incrivel! Ou melhor, que sobada! Hahaha O spa é lindo, então recomendo chegar pelo menos 30 minutos antes da sua massagem para aproveitar o circuito de aguas termais e as saunas. Eles oferecem um monte de rituais diferentes então resolvi experimentar a tal sobada mexicana, para eliminar energias negativas, etc. O tratamento foi caríssimo mas valeu cada minuto! Não deixem de fazer um tratamento nesse spa!

daytrips

SIAN KA’AN BIOSPHERE RESERVE: A palavra Sian Ka’an significa onde o sol nasce no dialeto Maia. Essa reserva é gigante e a maior área protegida da costa caribenha mexicana: ocupa 652 hectares e possui cinco entradas diferentes. Integra o segundo maior recife do mundo, depois da barreira de coral na Austrália, que começa em Cancún e passa por Belize e Guatemala, antes de chegar em Honduras. Na reserva você encontra 9 tipos de ecossistemas e 3 tipos de mangue (branco, preto e vermelho). Toda essa biodiversidade faz com que vivam por ali muitas espécies de mamíferos e répteis, como jaguar, puma, macacos, diferentes tipos de crocodilos, golfinhos, tartarugas e peixe-boi. A reserva de Sian Ka’an é divida em três áreas: a privada (os recifes), de baixo impacto (onde o turismo é feito), e a área destinada somente para pesquisa científica. Levamos 1h de carro para chegar na reserva e no ponto de embarque do barquinho. Não é necessariamente longe, mas a estrada é ruim e toda esburacada então demora um pouco mais. Com nosso guia, andamos de barco pela reserva, passando pelos mangues, avistando aves diferentes, golfinhos e tartarugas! Também nadamos nas lindas piscinas naturais! A cor da água aqui lembrou um pouco o Tahiti! Paramos para almoçar em Punta Allen, um vilarejo de pescadores com apenas 200 habitantes. Almoçamos num restaurante local…buffet. O passeio valeu, mas demora muito tempo e não achei que foi tão emocionante!

CENOTES: A península de Yucatán é manchada com cavernas subterrâneas formadas pela água que percorre através da pedra calcária macia da região. O resultado é um snorkeling delicioso e explorações de mergulho nos inúmeros cenotes, alguns profundos e misteriosos e outros muito como piscinas, frequentados por moradores locais. Como um verdadeiro sistema de rio subterrâneo, estima-se que existem mais de 10 mil cenotes na área entre as regiões de Quintana Roo e Yucatán! Alguns acreditam na teoria do asteroide que caiu e criou os primeiros cenotes, e depois, como a terra é feita de pedra calcária, muitos outros foram criados em seguida. Os mais bonitos são o Cenote Dos Ojos e os outros dois que ficam próximas à Cobá. O Cenote Dos Ojos é o mais famoso deles e tem esse nome, pois são na verdade, trata-se de dois cenotes! É bonito, vale a visita, mas é muito cheio de gente!

COBÁ:  A antiga cidade Maia de Cobá, fica a 42km para o oeste de Tulum. Considerada a maior cidade no mundo Maia, chegou a abrigar quase cinquenta mil pessoas há mais de um milênio atrás! As ruínas de Cobá abrigam uma quadra de bola perfeitamente preservadas, a maior pirâmide e prédio na península Yucatán, e excelentes vias que foram as primeiras estradas do mundo antigo, construídas pelos maias para o comércio e a interação política há 1300 anos atrás! Diferente do sítio arqueológico de Tulum e Chichen-Itzá, Cobá existiu durante os três períodos maias (pré-clássico, clássico e pós-clássico), e consequentemente as ruínas estão bem deterioradas e velhas. Se preferir, você pode solicitar um tour de 45 ou 90 minutos. Optamos pelo tour de 45 minutos que custou 600 MXP, aproximadamente 34 USD. Para passear pelas ruínas você tem a opção de caminhar, alugar uma bicicleta, ou então pegar uma “limusine maia” hahaha – uma bicicleta-taxi que custa 125 MXP para duas pessoas. Eu optei por ir para Cobá, pois queria escalar a pirâmide Nohoch Mul, que com 43 metros de altura e 120 degraus, é maior que a pirâmide de Chichen-Itzá! Ela foi construída como um templo para o mel e as abelhas, que além de ser um ingrediente chave também é um dos deuses na cultura Maia. O mel era utilizado pelos Maias na medicina e para construção. A pirâmide é totalmente sólida por dentro, feita inteiramente de pedra, e possui apenas uma escadaria voltada para o lado oeste. Para subir e descer a pirâmide, você pode usar a corda de apoio, pois é bem íngreme, especialmente na descida. Achei que a vista de cima ia ser mais estonteante, mas é bem bonita! Vale conhecer.

azulik eco-resort

Alguns amigos russos se hospedaram no Azulik Resort e depois de ouvir as histórias e conhecer o hotel, achei importante mencionar e explicar direitinho o conceito do hotel, pois sinto que muitos, assim como meus amigos, acabam tendo uma impressão errada do hotel e podem cair numa “furada”! O Azulik tem uma proposta muito específica que pode agradar ou desagradar muito, depende de casa pessoa. Eu já vi centenas de fotos lindas do hotel e de pessoas hospedadas lá no Instagram, e cheguei a considerar me hospedar nele durante essa viagem. A sorte é que eu sou uma pessoa curiosa e investigo absolutamente tudo antes de uma viagem, e descobri que o hotel não era pra mim! O hotel é um eco-friendly resort, cujo conceito é relaxar e entrar em contato com a natureza. É um retiro ideal para amantes da natureza, casais em lua de mel, ou para aqueles que desejam se reconectar com seu eu interior. Tudo isso significa que os quartos não possuem energia elétrica/luz artificial – tudo é iluminado na base de velas e não tem ar condicionado. Experimenta isso no calor infernal do verão! Os quartos não possuem chuveiros, apenas uma banheira com a água natural que vem da chuva – gelada!! O quarto tem algumas tomadas para você carregar seu celular, mas só! O hotel é somente para adultos e não é permitida a entrada de menores de idade, pois eles encorajam o nudismo. Isso tudo é muito romântico para uma lua de mel ou um final de semana a dois, mas veja que depende muito do estilo de viagem que você busca, concorda?! O único quarto que possui um chuveiro é o Honeymoon Villa, que é também o quarto que você vê em todas as fotos lindas e paradisíacas do hotel. Os outros quartos não possuem tantos balanços, redes, etc. Mas fora isso, o hotel é lindo, o restaurante é muito bom. Se você curte esse tipo de hospedagem ou procura um retiro assim, o Azulik é o hotel ideal para você! Caso contrário, escolha outro lugar!

OVERALL IMPRESSIONS: Não tem jeito – alguns lugares nos encantam de cara e uma história de amor se inicia! Foi assim com Tulum. A primeira vez que fui, em 2015, me apaixonei! Achei essa segunda visita melhor que a primeira, e só consigo pensar na próxima vez que vou voltar! I can’t get enough of Tulum!  Pretendo voltar com certeza no segundo semestre, em um dos muitos feriados desse ano. A cidadezinha é um CHARME, a comida é excelente, as pessoas são simpáticas, você vê gente bonita, tem uma praia paradisíaca com areia branca fina e água turquesa do mar do caribe… você tem agito e sossego ao mesmo tempo. A sensação de bem-estar é inexplicável! Tulum + Didi = Um caso de amor! hahahah

FAVORITE MOMENT: Pedalando para a praia todos os dias.

CAN’T STOP THINKING ABOUT: A cor do mar, a praia do hotel Nômade, margaritas e o pedaço de carne que comi no restaurante Casa Banana!!

FAVORITE MEALS: Casa Banana e os deliciosos tacos de carne do restaurante Grill do Nômade.

WHAT TO DRINK WHERE: Escolha um dos deliciosos sucos frescos na Posada Margherita, beba uma classic margarita na praia do hotel Be Tulum, e prove o spicy and skinny mezcal margarita da Casa Banana.

WHERE TO STAY: Conheci a maioria dos hotéis nessa viagem, pois cada amigo estava hospedado em um diferente, e assim como eu, muitos trocaram de hotéis durante a estadia. De todos, eu ainda acho que o hotel Be Tulum é o número um!

DAYTRIP SUGGESTION: Sinceramente, não acho que vale a pena perder tempo indo em todos os cenotes e em todas ruínas. Os cenotes vivem lotados de gente, é bem “farofa” na minha opinião. Sim, eles são lindos, mas não amei o passeio. O mesmo vai para as ruínas de Cobá, etc. Se tivesse que escolher uma das ruínas para visitar, seria as de Tulum, pois tem o lindo mar como fundo. Eu queria ter ido para Akumal nadar com as tartarugas, infelizmente não deu tempo, mas todo mundo recomenda o passeio. E se estiver na época, recomendo nadar com os tubarões baleia na Isla Mujeres.

SURPRISING FACT: O serviço no geral é muito ruim! Você tem que pedir tudo pelo menos 3 vezes, irrita um pouco! Eles se esquecem, confundem os pedidos, um drama! kkkk. Além disso, nenhum hotel tem TV! Room service então, uma raridade! Não tente pedir algo que não esteja no cardápio que não vai dar certo!! Aliás, falando em restaurantes, achei os horários do jantar bem cedo! Não existia sentar após as 21h! Ahh, e durante a alta temporada, a maioria dos restaurantes não aceitam reserva!

BROUGHT BACK/SOUVENIR: A minha bolsa de praia com olhinhos gregos, um chapéu de praia da loja The Wanderlust, e alguns vestidinhos e saídas de praia.

WHAT TO PACK: Tulum é super “relax” e bem tranquilo então nem pense em levar roupas muito arrumadas ou salto! Sempre está calor, então roupas leves e frescas são as melhores pedidas! Para sair a noite, use uma rasteira. É recomendável você levar um tênis se estiver pensando em explorar as ruínas de Tulum ou visitar Cobá e Chichenitza, por exemplo. Fora isso, muito repelente, protetor para o sol forte e roupas de ginástica se você pretende curtir o lado “yogi” de Tulum! Veja mais aqui.

WHEN TO GO: Na minha opinião, Tulum é legal em qualquer época do ano. Vai depender da proposta da sua viagem – se é romântica, se é voltada ao bem-estar, ou se você busca agito. Para algo mais romântico ou um retiro de yoga, qualquer época do ano é propícia fora o final de dezembro e o mês de janeiro, quando o agito toma conta da cidade! Durante o resto do ano Tulum é relativamente calmo, mas nunca vazio, e todos os restaurantes estão abertos. A alta estação é no inverno (dezembro e janeiro). Mas não se preocupe que mesmo assim os dias são ensolarados e faz bastante calor! No verão, baixa estação, é MUITO quente! Um conselho que posso dar é prestar atenção na cor do mar – antes de reservar sua viagem, certifique-se que não está tendo nenhum surto de algas marinhas na região, pois isso muda tudo! Como a praia de Tulum está protegida pela segunda maior barreira de coral do mundo, que corre de Cancún até Honduras, qualquer alteração nas condições climáticas afeta toda essa área e demora para ir embora/mudar. É o caso das algas. Volta e meia isso acontece e o mar é invadido por algas, perdendo a linda coloração turquesa e ficando marrom!! É tanta alga que não dá vontade nem de entrar no mar, mesmo num sol de 40º!! Infelizmente eu já tive essa experiência uma vez, e por isso posso afirmar que faz TODA diferença!

USEFUL TIP: Leve bastante dinheiro vivo! A maioria dos estabelecimentos não aceitam cartão de crédito, e mesmo se aceitarem, geralmente a máquina não consegue sinal para conectar! Tulum é relativamente barato então não precisa levar muito. Existem muitos caixas eletrônicos espalhadas pela estradinha principal, mas nelas você só consegue sacar em USD. O único caixa eletrônico que permite sacar em MXP (pesos mexicanos) é do supermercado Chedraui, no centro. O bom disso é que algumas lojas costumam a dar desconto se você pagar com pesos!

TAXI: Essa é uma das dicas mais importantes! Antes de entrar no táxi, negocie SEMPRE o valor da corrida! Se não concordar com o preço, procure outro táxi (tem um monte disponível sempre). Eles são bem malandros lá, especialmente na alta temporada, e chutam o preço lá em cima de propósito. Fiquei com muita raiva várias vezes, me senti assaltada! Como cheguei dia 25/12 em Tulum, eu descobri o preço “normal” de uma corrida, e depois os absurdos que eles cobravam. Basicamente, qualquer coisa acima de 100 MXP já é demais para uma corrida entre o seu hotel e o restaurante. Aliás, é preferível pagar sua corrida em pesos, pois se pagar em USD o motorista vai escolher o câmbio que ele bem entender para calcular o troco em MXP, e você não vai poder reclamar depois! E não preciso nem dizer que eles usam um câmbio bem ruim né?! Por isso fica também a dica de alugar uma bicicleta!

Related Posts

Solicitação de reserva

Você optou por receber informações sobre esta viagem

URL:

Voltar